Henrique Cabral: learn to fly

06 March 2008


Novos Menus Mc Donald’s

Tenho reflectido bastante sobre a actuação da ASAE. Para além da campanha que lancei num post perto de si (chamo à atenção para a expressão post perto de si que foi, em tempos, copiada por uma conhecida rede de supermercados cujo nome não posso pronunciar, por questões de compromissos publicitários que não tenho e que podia ter, mas que começa em pingo e acaba em doce), «um relógio Swatch com ovelhinhas para ajudar a comprar o mobiliário em inox para a queijaria de Laura Lopes», o facto de a ASAE ter apreendido recentemente latas Coca-cola que estavam a ser vendidas nos supermercados cujo nome não posso igualmente pronunciar por compromissos publicitários que não tenho mas podia ter, mas que começa por inter e acaba em marché (http://clix.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/254910), pela módica quantia de 19 cêntimos, é meu dever comunicar-vos agora que fontes bem informadas me transmitiram que a Mc Donald’s poderá estar a caminho da customização ao cliente português, planeando para breve o lançamento de um Mc Menu Lusitano.

As latas de Coca-cola apreendidas, à venda a 19 cêntimos (p.v.p), constituem uma ignomínia insustentável para a ASAE. Como é evidente, ver um cliente que, ao chegar à caixa, se apresenta com uma moeda de 20 para pagar uma bebida e ainda levar um eco-saco, é bastante deprimente e pode complexar um inspector mais desprevenido, desses tipo polícia de choque, levando-o, eventualmente, à carnificina geral (o que, no caso de um inspector da ASAE, representa uma maciça apreensão de carne embalada num desses grandes armazéns do norte do país). É claro que a ASAE ao apreender este artigo (parece-me bem a expressão «este artigo») mais não fez do que cuidar do bem estar do consumidor, protegendo-o do maléfico dumping que, ao nível do consumidor, lhe permite levar mais uma lata de atum e uma pasta de dentes de marca branca para casa, lata e pasta essas que poderão ter já ultrapassado as respectivas datas de validade. Como é evidente, e quem tiver conhecimentos de economia sabe que é verdade o que escrevo, prevenir o dumping permite prevenir, a prazo, o emprego, uma vez que assegura que a margem de comercialização líquida permite cobrir a estrutura de custos que possibilita a sobrevivência de uma indústria, ajudando à sua competitividade no mercado. Então se falarmos em mercado global, nem se fala. Só assegurando a sustentabilidade das empresas, cuidamos de defender o emprego, através da fixação de indústrias no nosso país. É precisamente o caso da Coca-cola, essa grande empresa nacional, com sede em Azevinho de Alguilhares, que daí exporta para o mundo inteiro e sobretudo para a India. Aliás, o Sr. Ernesto Coco, dono desta grande empresa, chegou a acordo muito recentemente com o Senhor Ratan Tata, para a venda maciça de Coca-cola na Índia. Sem este acordo, nunca seria possível ver esta grande marca naquele país. Talvez por isso a ASAE tenha optado por avançar com a apreensão, não fossem os lucros desta empresa nacional baixar a níveis comprometedores.

Posto isto, poderei agora retomar o tema de abertura, relacionado com o novo menu Lusitano Mc Donald’s. É que, sabe-se agora, a grande cadeia de hamburgers adquire normalmente as suas Coca-colas no…Intermarché. Pois é, para que nós consumidores possamos adquirir um menu por pouco mais de 1 euro, é absolutamente fundamental que as Coca-colas não excedam os 19 cêntimos. A apreensão efectuada poderá pôr em causa a composição do novo menu.
Cacto fedorento sabe que o novo menu previa a substituição da famosa fatia de cheese, amarelo-alaranjada, por um naco de queijo da Serra da Estrela, proveniente da nova queijaria de Laura Lopes, caso esta responda às exigências recentes da ASAE, relativas à substituição da mesa de pedra e do armário de madeira por peças em inox.

1 comment:

Rodrigo said...

Olá, Tintim.
Pode usar à vontade os cartoons do Humoral da História. Todas as referências com link são bem-vindas. Abraços e boas blogadas.